quinta-feira, 19 de maio de 2011

59. Marketing agressivo e sexista!



Abrenuncio, tenho de vos tirar o chapéu...



Tu usas chapéu?!


- Ok, estava a usar uma expressão vossa. efectivamente, arranjar um chapéu para a minha cabeça não será tarefa fácil. 
- eheheheh
- Mas continuando  - cabeçudo és tu palerma! - dizia eu
- Chapéus há muitos seu palerma! Palerma és tu! Chapéus há muitos! Ahahahah
- Mas tu... andaste a fumar alguma coisa?! 
Deixa-me continuar se fazes o favor!
- Continua amigão
- Amigão?!... Bem, ia eu a comentar qualquer coisa sobre...
- Agora a sério, devia ser algo elogioso uma vez que nos ias tirar o chapéu
- Eu sei o que ia dizer! Não faças de mim parvo, hein? 
- Irritei-te?
- Claro que não, isso é um sentimento humano, logo, inferior. Só levantei a voz para me ouvires melhor porque estavas feito parvo a rir. (Eh pá! estarei a ficar apanhado por estes gajos?!)
- Ok, também já mentes como nós... sim, eu sei, é só um bocadinho, mas acho que é sinal que te estás a adaptar muito bem e a integrar-te na nossa sociedade.
- Livra!Como é que vocês dizem? Antes queria ca... borrar um pé todo... 
- Até ao pescoço!
-... Que ser parecido com vocês!
Mas dizia eu, que vocês são muito criativos. Uma das coisas que mais aprecio na vossa tv são os anúncios e na rádio também. Vocês são muito criativos. Vão desencantar cada ideia para chamar a atenção para os vosso produtos que é realmente de louvar. Embora tenha uma critica a fazer.
- Então?
É que vocês, como dizer?, vendem muito à base do sexo. A grande maioria dos anúncios são sexistas, são cómicos mas não deixam de ser sexistas, vocês têm alguns problemas com a vossa sexualidade, não?
- Como assim?!
- É que se os anúncios são dirigidos ao grande publico isto quer dizer que a grande maioria de vocês têm algo por resolver com a vossa sexualidade, certo?
- Hã?!
- Pois, são tão influenciáveis por temas de cariz sexual, que as ideias sexistas vendem imenso. Mas memso sem ser sexista, às vezes aparecem anuncios girissimos, obviamente gozando com essa vossa... tendência. Olha por exemplo neste «reclame» o que é que te chama a atenção?, Hein? diz-me cá com toda a sinceridade - serão as panelas? Ou o facto de aparentemente se oferecer...


- Sexo grátis?! Onde? Onde fizeste esta foto?

- Viste? 

I rest my case! 









quarta-feira, 18 de maio de 2011

58. mudar a maneira de pensar pode ser dificil...


Olha Abrenúncio, estou um bocado desapontado com a vossa espécie mas por outro lado tenho uma tremenda fé em vocês, sabes?


hmmm... e isto vem a propósito de quê?



Olha, li algures num blog de uma professora «Sou professora já há demasiado tempo. O mais que suficiente para ver que nada muda. Que eu não consegui mudar as ideias da maioria dos meus alunos. Eu e mais muitos professores. E eu acreditava na escola...» - isto a propósito de, pelo menos aparentemente, as mentalidades parecerem inalteradas ao longo dos tempos e se continuar hoje em dia a privilegiar os velhos estereótipos culturais.  

Mas, enfim, esses estereótipos sempre existiram e sempre hão-de existir, não? Fazem parte da maneira de ser da humanidade, crescemos rodeados de exemplos que muitas vezes nos confundem e a sociedade em que nos inserimos não nos dá os melhores exemplos.

Acho que puseste o dedo na ferida. Vocês tendem muito facilmente a negar a responsabilidade dos vossos actos, refugiando-se na nefasta influência que a sociedade exerce sobre os humanos. Acho isso tão infantil que se não fosse tão grave até seria risível!

Como assim?! É verdade! 
Já viste a carga de maus exemplos que a sociedade, através por exemplo dos meios de comunicação social atiram sobre a nossa juventude, minando os seus valores morais? 

Mas vocês têm ou não inteligência? Espírito critico? Livre arbítrio? 

Muitos filósofos defendem que ninguém escolhe o mal, que as escolhas que fazemos têm sempre em vista o bem. O nosso problema é que nem sempre o bem é bem visto, ou seja, o problema não está em escolher o bem, mas em o escolher de forma certa, escolher de forma justa. As gerações mais recentes estão marcadas por uma grande fragilidade na vontade, mudamos de ideias com muita facilidade e frequência. A falta de determinação gera o risco de escolhas que possuem data de validade curta, o que cria uma preocupação: “Será que existe bem que perdure?” 

Filosofia à parte numa coisa estamos de acordo - os exemplos influenciam, e muito, os mais novos. 
O importante é educarmos, instruirmos a juventude, não enchê-los de «cultura livresca» mas ensiná-los precisamente a usar o espírito critico e com base na informação adquirida a questionarem os tais estereótipos. 
O problema não é o teu exemplo não chegar lá, vocês acham é que têm uma concorrência desleal da parte dos meios de comunicação social, que bombardeiam a população com «big brothers» e com telenovelas de conteúdo muito duvidoso e onde muitas vezes se faz a apologia da estupidez. Além disso, quem se movimenta neste vosso meio urbano percebe que o ambiente é estranhamente «provinciano» (e isto não tem nada a ver com a província!) e até se faz a apologia da alarvidade. Ok, quando vejo um gajo que agrediu uma mulher em directo na tv, numa antiga edição do big brother, virar astro famoso... (talvez por isso se fale tanto agora da violência entre namorados) fico preocupado com vocês. 
Apesar de tudo, não desistam nunca dos pequenos. Enquanto professores podem sentir-se em desvantagem mas algo das vossas personalidades perdurará nas mentes deles. Muitos recordarão os exemplos dos professores e terão discernimento para perceber a diferença.


Ok. eu recordo-me de muitos episódios dos meus professores e que só muito mais tarde compreendi...

Absolutamente. O importante não é ver os resultados no fim do ano lectivo - isso será até impossível. No fundo todos vós tendes a sensação que nada muda porque a mudança é lenta e subtil. Mas uma coisa é certa. A semente foi colocada. Com o devido tempo germinará. Com o devido tempo crescerá e dará frutos. Talvez o triste para vocês seja o facto de intimamente terem a consciência de que provavelmente não chegarão a ver os frutos, mas que eles irão aparecer isso é indiscutível.






quinta-feira, 12 de maio de 2011

57. Visitas

blablablabla, blabla   Ahmmm... Olha Nemo apresento-te um amigo meu, que já há imenso tempo que não via!

Muito prazer, Nemo, Nemo Luso! 



?!... Muito gosto, Alhinho, Óscar Alhinho , aqui o Abrenuncio já me tinha falado de si...


Mas eu excedo as expectativas, não é?


Pois... eu... bem... isto é...



Sim! Sim!


Sim?



Sim, eu posso ler os seus pensamentos...


Ah... pois, desculpe...

Esteja à vontade, eu até o compreendo. Não se iniba porque só baralha as suas ideias e eu continuo a perceber tudo o que está a pensar de mim. Sim! Até esse ultimo f...-se! Não se preocupe. Já me chamaram de tudo!

Porra Nemo! Não atrofies o ...

Ok, desculpe. Eu vou parar. Ah! Não deixa de ser uma coincidência, não é?

O quê?

O teu amigo ter pensado que se calhar andam aí mais ETs como eu pela cidade
Não percebo a coincidência

Espera, é que também tive uma visita hoje. Um amigo de longa data e que também não via há uns anitos
E... onde está ele?

Ali atrás do caixote do lixo. Está a comer.
A comer?! Atrás do caixote do lixo?! 




Sim! Olha lá vem ele. Alf chega aqui, quero apresentar-te um amigo meu


Ah! Olá! 




...
...
Já acabaste de comer?
Sim, sim! O gato estava excelente! Eheheh
?!
?!
Ena pá... 
Que foi?
É que, nem imaginas... Estes dois estão com uma branca que nem consigo ler nada no cérebro deles! Vazio, imenso! Profundo!
Coitados!
Pois. Olha Abrenuncio, vou dar uma volta com o Alf. Gostei de o conhecer Óscar
Ah! Sim, tive muito gosto em os conhecer Abrenuncio e Óscar
aaahhmmm...
??!!!
Eh pá mas tu tens cada amigo!!!

Queres um espelho, queres?


Ó visitante! Estou a topar-te hein! Mauzinho?! Ai sou, é?!
Sim, isto não é com o Óscar é contigo mesmo!
Já agora meus os agradecimentos ao Alf por esta pequena participação (visita) 






56. Vamos lá tratar da forma...



Eh pá! Abrenuncio! Que te aconteceu?! Há mais de uma semana que não te via.



Ai, Nemo, não me digas nada! Com a aproximação da época balnear nós, os humanos, temos a mania de começar a pensar em ficar em boa forma, física, percebes? Para ir para a praia


E...?!

Olha, lembras-te do voucher que recebi nos meus anos? Um voucher de uma semana num dos melhores ginásios. Estou em excelente forma mas achei boa ideia diminuir a minha "barriguinha". Fiz a marcação dessa semana no ginásio. A personal trainer que me vai seguir chama-se Catarina, tem 26 anos, é monitora de aeróbica e modelo. Como me recomendaram que escrevesse um diário para documentar o meu progresso, eu assim o fiz. Toma-o lá, lê-o, isso deve responder às tuas questões:


Mostra cá: 

Segunda-feira
Com muita dificuldade levantei-me às 6 da manhã. O esforço valeu a pena. A monitora parece uma deusa grega: loira, olhos azuis, grande sorriso, lábios carnudos e corpo escultural. Primeiro mostrou-me todos os aparelhos de ginástica. Comecei pela bicicleta. Ao fim de 5 minutos mediu as minhas pulsações e ficou alarmada porque estavam muito aceleradas. Mas não era da bicicleta: era por causa dela, por estar vestida com uma malha de licra justíssima que lhe moldava as formas todas. Gostei do exercício. Ela consegue dar-me imensa motivação. Começo a sentir uma dor constante na barriga de tanto a encolher.

Terça-feira
Tomei o pequeno almoço e fui para o ginásio. A monitora estava melhor que nunca. Comecei por levantar uma barra de metal. Depois ela atreveu-se a pôr pesos!!!
Tinha as pernas fracas mas consegui completar UM QUILÓMETRO na passadeira. O sorriso arrebatador que a monitora me deu no fim da manhã convenceu-me de que todo este exercício vale a pena... É uma vida nova para mim.

Quarta-feira
A única forma de conseguir escovar os dentes foi segurar na escova com os cotovelos apoiados no lavatório e mexer a cabeça de um lado para o outro. Conduzir também não foi fácil: estender os braços para meter as mudanças foi um esforço digno de Hércules. Dói-me o peito. As plantas dos pés doem de cada vez que carrego nos pedais. Fisicamente diminuído, estacionei o carro no lugar reservado para deficientes, até porque só consigo andar a coxear. A monitora estava com a voz um pouco aguda. Quando grita incomoda-me muito. Quando me pôs um arnês para fazer escalada todo o corpo me doeu.. Para que é que alguém inventa um aparelho para fazer escalada quando isso ficou obsoleto desde a invenção dos elevadores? A monitora disse-me que este exercício me ia ajudar a ficar em forma, ou a gozar a vida...

Quinta-feira
A monitora estava à minha espera com os seus dentes de vampiro horríveis. Cheguei meia-hora atrasado: foi o tempo que demorei para conseguir calçar os sapatos. A desgraçada pôs-me a trabalhar com os pesos. Quando se distraíu, fui-me refugiar na casa de banho. A gaja mandou um outro monitor ir buscar-me.
Como castigo pôs-me na máquina de remar... Estou todo rebentado.

Sexta-feira
Odeio essa desgraçada. Estúpida, magra, anémica, chata e feminista sem cérebro! Se houvesse uma parte do meu corpo que eu pudesse mexer sem sentir uma dor excruciante, partia ao meio essa sacana. Quis que eu trabalhasse os meus trícipites... EU NEM SABIA O QUE ERA ESSA COISA DOS TRÍCIPITES!!! E se não bastasse colocar-me pesos nos braços, pôs-me aquelas tretas das barras... Desmaiei na bicicleta. Acordei numa maca. Uma nutricionista, uma idiota com cara de estúpida, deu-me uma seca sobre alimentação saudável.

Sábado
A filha da mãe deixou-me uma mensagem no telemóvel com a sua vozinha de lésbica assumida a perguntar por que é que eu não apareci. Só de ouvir aquela vozinha fiquei com ganas de partir o telemóvel, mas não tive forças para o levantar. Carregar nas teclas do comando da televisão para fazer zapping está a ser um esforço tremendo...

Domingo
Não me consigo levantar.
Pedi a um amigo meu para agradecer a Deus por mim na missa por ter sobrevivido a esta semana que felizmente já acabou. Rezei para que no ano que vem me dêem como prenda qualquer coisa um pouco mais divertida, como um tratamento dentário, um cateterismo ou até mesmo um exame à próstata.


Pois... compreendo-te Abrenuncio... Como hoje já é quinta, já te vais mexendo, hein? Escuta, este ano, portanto, não tencionas ir à praia, é?






quarta-feira, 11 de maio de 2011

55. - Completamente integrado! - divagações...

Hoje estou verdadeiramente satisfeito! Ao fim deste tempo todo entre vocês a estudar os vossos hábitos, incongruências,  gostos, parvoíces, inteligência, intuição, malvadez, mesquinhez, grandiosidade, pequenez, paixões e ódios, acho que já me consigo integrar no vosso meio, passando o meu aspecto físico relativamente despercebido e já conseguindo interagir com diversos humanos que se cruzam no meu caminho.

Tenho de agradecer o empenho do meu amigo Abrenúncio, a eficácia do meu computador de bordo – que por sinal sofreu uma sobrecarga para digerir todas nuances da vossa maneira de ser e pensar mas que já está operacional, e (porque não admiti-lo?), a minha capacidade telepática para conseguir discernir o que vocês dizem daquilo que realmente querem dizer.

Hoje em dia, caminho pelas vossas ruas, ouvindo «bocas» parvas, idênticas às que se ouvem sobre qualquer pessoa que tenha um aspecto ligeiramente diferente, mas absolutamente inofensivas. Sim, eu sei, para mim são inofensivas porque o meu intelecto superior não se deixa enganar por essas manifestações exteriores das vossas profundas frustrações, mas enfim, ao menos naqueles breves momentos vocês sentem-se melhor.

É contudo curioso que a maioria dos humanos se sinta psicologicamente recompensado ao denegrir outro humano – a maior parte das vezes sem a mínima razão.

Por exemplo, sentem-se fisicamente mais perfeitos se criticarem ou até gozarem com a deficiência ou imperfeição física dos outros. Eu sei que muitas vezes ao apelidarem-me de «cromo», «trambolho», «esquisitóide» estão somente a tentar convencer-se de que são mais bonitos que eu… Hilariante, não?

Ah! E intelectualmente acham absolutamente fabuloso fazer dos outros parvos. Mesmo que não façam a mínima ideia daquilo sobre o que estão a falar, gostam de se arvorar em peritos e conhecedores profundos do assunto. E coitados dos humanos honestos que reconhecem, em público, desconhecer o assunto sobre o qual se disserta – são achincalhados até mais não. Só à conta desta atitude é transmitido um volume tão colossal de parvoíces que se percebe porque o vosso nível civilizacional está ainda tão baixo. Já para não mencionar as barbaridades que se dizem baseadas unicamente na expressão «ouvi dizer que…» ou, como antigamente se dizia - «até veio nas notícias!»

Bem, e quanto ao «quem conta um conto acrescenta-lhe um ponto», é uma verdadeira instituição! Nunca conseguirei compreender completamente – apesar da minha inteligência superior – a necessidade que vocês têm de acrescentar sempre qualquer coisa a algo que estejam a transmitir! É como se o facto de introduzirem mais qualquer coisinha na narrativa vos livre de uma acusação de plágio e vos livre de processos de violação dos direitos de autor! Sabendo, no entanto, que desse modo estão a faltar à verdade dos factos. Aliás, só assim se justifica que as pessoas honestas e verdadeiras sejam sistematicamente prejudicadas e denegridas nesta vossa sociedade - enquanto muito intimamente, nos recônditos dos vossos cérebros, admiradas e até invejadas!

Ok, admito que vocês são estranhos... mas divertidos! Ah! que paródia seria se de repente adquirissem o dom da telepatia!!!














terça-feira, 10 de maio de 2011

54. Good morning!!!



Hoje acordei muito bem disposto! Não sei bem porquê, se foi algo que sonhei que me pôs feliz. Nunca te aconteceu? Acordares feliz sem saber porquê? E ao mesmo tempo com uma sensação estranha, como se me apetecesse qualquer coisa... 



Queres que te chame o Ambrósio?

?!


Talvez um chocolatinho?


Parvalhão! Tinhas que estragar o momento!
Mas qual momento?




O despertar para um novo dia, cheio de energia positiva, cheio de força para a luta, cheio de...


Ah! Já sei!


Já sabes o quê?!

Porque estás assim. É hoje!


É hoje?! O  quê?! O que é hoje?!
Estás cheio de força para a luta porque hoje os homens da luta vão cantar em Düsseldorf, não é?


Anhn?!
Porra! Sabes tirar a... hmmm... alegria toda a um gajo logo pela manhã!






Mas pensando bem... Boa sorte Struggle Men!
Dá-lhe Falâncio! Força Neto!
Eheh! Aposto que não sabias que eu sabia o nome deles!